Por Danielle brant

O fim do protagonismo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) como grande financiador de empresas abriu espaço para a retomada da captação via mercado, em uma tendência que deve se consolidar neste ano e dar mais opções a investidores que buscam retornos melhores na renda fixa.

Com o banco de fomento mudando o foco para priorizar pequenas e médias empresas, as grandes companhias, que têm necessidade de volumes financeiros maiores para arcar com suas operações, precisaram voltar as atenções aos investidores.

Isso fez com que, em 2017, as emissões de títulos de dívida e outros papéis de renda fixa crescessem 41,9% em relação ao ano anterior, para R$ 152,1 bilhões. O aumento teve como pano de fundo a recuperação da economia brasileira e o cenário de redução de juros no país. A Selic foi de 14,25% em outubro de 2016 para 7% em dezembro do ano passado. A queda estimulou muitas companhias a usarem o mercado de capitais para se financiarem ou para trocarem dívidas caras -emitidas quando a taxa estava mais elevada- por baratas.


Já os desembolsos do BNDES percorreram o caminho contrário e recuaram 19,8%, para R$ 70,8 bilhões, seguindo a mudança na política de concessões do banco. A instituição passou a priorizar micro, pequenas e médias empresas -que exigem menos recursos.


A retomada do mercado de capitais ocorre principalmente após a nova política operacional do BNDES. Antes, quem tinha condição de captar com o juro subsidiado do BNDES evidentemente ia tomar", ressalta Carlos Antonio Rocca, diretor do Cemec-Fipe (Centro de Estudos do Mercado de Capitais).


O Cemec realizou um estudo sobre a retomada do crescimento do mercado de capitais no ano passado, em que discute como a queda de juros e a redução do papel do BNDES devem continuar levando empresas a se financiarem via mercado.


Para Rocca, o BNDES ainda será importante, principalmente no financiamento à infraestrutura, que exige um prazo maior, de 25 anos, e que dificilmente é encontrado no mercado de capitais.
A ONDA


O movimento de captação das empresas via mercado deve continuar no primeiro semestre deste ano, avalia Gustavo Rugani, sócio da área de mercado de capitais do escritório Machado Meyer.


“Existe a necessidade de troca de dívida cara por mais barata e mais longa. Muitas empresas estão desengavetando projetos de expansão e devem tomar financiamento via mercado, já que o BNDES secou a torneira", diz.


Essas emissões seriam encabeçadas por debêntures (título de dívida), para empresas que precisam de um prazo maior, e notas promissórias, que funcionam praticamente como capital de giro.


Certificados de recebíveis imobiliários e do agronegócio (CRIs e CRAs, respectivamente) também estariam no radar das companhias.


“A gente está vendo uma movimentação muito maior neste ano dos projetos de infraestrutura, existe espaço maior para debêntures incentivadas [isentas de Imposto de Renda para pessoas físicas], e as notas promissórias vão aquecer", diz José Eduardo Laloni, diretor da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).


Muitos desses instrumentos, porém, devem ficar fora do alcance das pessoas físicas, afirma Carlos Zanotta, sócio da consultoria Deloitte.


Por uma característica do mercado brasileiro, não há muito investimento de pessoas físicas no mercado de capitais", diz. "Passa por uma mudança de cultura do investidor", completa.


A concentração das emissões nos primeiros seis meses deve-se à incerteza provocada pela disputa eleitoral, diz Rugani, do escritório Machado Meyer. "Existe uma nebulosidade grande em relação ao segundo semestre. Quando isso se resolver, teremos um cenário mais claro para as empresas", diz Rugani.


Para ele, as emissões virão do setor de energia, principalmente da área renovável. "Era um segmento que usava muito o BNDES. Construção civil também deve retomar, tem muita emissão de CRI. Fiz várias emissões para empresas de locação de veículos de frotas", afirma. As captações no exterior também devem continuar neste ano, avalia Rugani.


Tipicamente, o financiamento no exterior tem taxas menores do que as no Brasil, mas embute o risco cambial, que pode acabar não compensando a taxa mais barata obtida lá fora", diz.


No ano passado, empresas como Petrobras, Vale e Banco do Brasil captaram no exterior. Exportadoras como BRF, Suzano e Fibria também emitiram "bonds''(título de dívida) em busca de recursos estrangeiros. Esse tipo de financiamento faz sentido, sobretudo, para empresas que têm receita em moeda estrangeira.


Quando o custo do hedge [proteção cambial] faz sentido e a empresa tem visibilidade internacional, existe uma lógica. Mas não adianta qualquer empresa querer captar lá fora", afirma Rugani.


É a mesma leitura de Vanessa Fiusa, sócia do escritório Mattos Filho. "Não é muito fácil para companhias que não têm visibilidade. Tem de ter uma sofisticação de operação e tamanho para conseguir ser uma emissora de dívida lá fora", afirma.


Folha de S. Paulo
https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/03/com-recuo-do-bndes-empresas-emitem-titulos-atras-de-investidores.shtml


(Notícia na íntegra)