Por Eliane Sobral

O dia começou tenso para Carolina Campos Pereira. Com voo marcado para São Paulo às 8 horas da manhã, ela achou melhor não arriscar e saiu de casa com três horas de antecedência. Mas um problema na estrada que leva ao aeroporto de Confins a (MG) a fez perder o voo.

“Não queria começar o dia já apresentando um problema. Então, tratei de conseguir outro voo e só então liguei para a Simone para avisar que me atrasaria”, diz ela referindo-se a Simone Torres Freire, CEO da Puratos, fabricante belga de insumos de panificação, confeitaria e chocolate, com quem passaria (e passou) o dia.

Enquanto Carolina corria atrás de um voo para São Paulo, a estudante Adriana Parnes embarcava para Lima. Na capital peruana, o time da Renault estava a postos para a inauguração da mais nova unidade da montadora francesa na América do Sul.

“Tive uma visão completa da rotina do presidente. Participei de reunião com clientes, fornecedores e até de uma coletiva de imprensa”, afirma Adriana referindo-se à agenda de Olivier Murguet, presidente da Renault para a América Latina, de quem ela foi “sombra” por um dia. “É preciso ter muita energia para ser CEO”, diz ela.

A energia de Fiamma Zarife foi uma das coisas que mais impressionaram a estudante de arquitetura e engenharia civil Adriana Ogawa – que, ao lado da CEO do Twitter, participou de nada menos que oito reuniões, em um único dia. “É incrível como ela sai de um assunto para outro com naturalidade”, observa Adriana.

A experiência das três jovens é o ponto alto do programa CEO Por Um Dia, que selecionou 23 estudantes para acompanhar um dia na vida do presidente de uma grande companhia.

Organizado pela Odgers Berndtson com apoio do Estado, PDA International, Machado Meyer Advogados e Centro de Carreiras da EAESP da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o programa está em sua quarta edição no Brasil. E, neste ano, bateu recorde com a participação de 23 empresas – o maior número dentre os doze países com presença da Odgers que promovem a iniciativa.


Em campo

Para Carolina Pereira, a estudante mineira de engenharia de produção, é difícil apontar qual foi o ponto alto do dia que passou acompanhando Simone Freire. Ela conheceu as duas fábricas da Puratos no Brasil: a mais moderna, inaugurada há apenas três anos e completamente automatizada, e a mais antiga, inaugurada há três décadas.

Também participou de uma reunião com os times marketing e de pesquisa e desenvolvimento da fabricante de chocolate e insumos para panificação e confeitaria.“Eu quis que ela tivesse uma visão completa do negócio, do processo fabril à validação, ou não, dos projetos”, afirma Simone.

A executiva teve o cuidado de distribuir o currículo da estudante para as pessoas que participariam da agenda pudessem se familiarizar com Carolina. “E também para que pudéssemos aproveitar ao máximo a presença dela”, diz a executiva. Ela também tratou de falar com a estudante antes de fechar a agenda, para saber se estava de acordo com as expectativas da visitante.

“A Carol interrompe o tempo todo com perguntas pertinentes. Tem um futuro incrível e eu quero acompanhar a carreira dela”, diz Simone, que já causou impacto na vida da jovem estudante. “São poucas as mulheres em cargo de comando e eu quero chegar lá”, diz Carolina.


Acerto nas agendas

Calibrar a agenda para que os estudantes aproveitassem ao máximo a experiência foi uma preocupação comum aos CEOs participantes. Não foi por outro motivo que Olivier Murguet optou por convidar a estudante de administração da FGV-SP Adriana Parnes, para conhecer um dia de sua rotina em outro país. “Recebemos importadores da Renault de toda a América Latina, participamos de uma coletiva de imprensa, com quase 30 jornalistas”, diz Murguet, presidente da Renault para a América Latina.

“Foi extremamente positivo receber uma pessoa jovem, com tão boa formação e mostrar nossa cultura, navegar entre a estratégia e o chão de fábrica”, afirma.


Meninas no comando

Para Fiamma Zarife, do Twitter, receber uma estudante fez muita diferença. “Acho importante mostrar para essa futura geração de mulheres líderes que nós, executivas, não somos super heroínas em uma sala de comando.”

Tanto Fiamma quanto Adriana Ogawa ilustram bem a batalha feminina por um lugar ao sol. Enquanto a CEO do Twitter começa seu dia às 6 horas, realiza oito reuniões num único dia, despacha com o time e ainda mantém a matriz americana informada do que acontece por aqui, Adriana Ogawa cursa duas faculdades simultaneamente – arquitetura, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, e engenharia civil na Escola Politécnica, ambas da USP.

O balanço feito tanto pelos executivos como pelos estudantes mostra que a troca entre gerações, é o saldo mais positivo proporcionado pelo CEO Por Um Dia. “A Adriana me deixou aqui cinco observações, extremamente pertinentes, que estarão no meu dia a dia e no meu radar”, afirma Olivier Murguet.


Troca de informações e de conhecimentos

“O mais valioso desse programa é que, na hora do almoço, pudemos conversar mais e ela não só me fez várias perguntas sobre carreira e meus desafios como uma mulher líder, mas também me contou um pouco sobre ela”, conta.

“O bacana disso tudo é que ela aprendeu comigo, mas eu também aprendi muito com ela”, diz Fiamma. “Mistificamos tanto as novas gerações e uma experiência como esta mostra que, no fundo, as pessoas são muito parecidas. O que elas esperam de uma empresa, não é muito diferente do que eu espero”, avalia Simone, da Puratos.

Carolina Pereira voltou para Belo Horizonte determinada a tornar-se comandante de uma grande empresa. Adriana Parnes, que já almejava a posição, teve a certeza de que está no caminho certo e Adriana Ogawa segue inspirada pela paixão e confiança transmitidas pela CEO do Twitter.

“Foi uma experiência incrível e que eu certamente repetiria”, conclui Simone, da Puratos, que deve ir à UFMG, onde também estudou, falar de sua trajetória. O convite partiu de Carolina.


Brasil tem o maior número de empresas participantes

A edição 2018 do programa CEO Por Um Dia chega ao fim com alguns recordes para mostrar. Com 23 empresas (nacionais e multinacionais) participantes, a versão brasileira é a maior dentre os nove países nos quais o evento é realizado pela consultoria britânica Odgers Berndtson, entre eles Espanha, Canadá, Portugal, Finlândia, Alemanha, África do Sul e Inglaterra.

“Estamos todos muito satisfeitos em contribuir pragmaticamente com essa injeção de capital emocional e intelectual na vida das empresas e dos estudantes”, afirma Luiz Wever, CEO da Odgers no Brasil. Ele  destaca a participação diversificada dos estudantes, tanto geograficamente quanto na participação de mulheres inscritas. Dos 23 selecionados, 11 são do sexo feminino e 12 do masculino. “O alto nível dos jovens participantes também é algo a se destacar. Foi muito difícil selecionar apenas 23”, acrescenta.

O Estado de S. Paulo
https://economia.estadao.com.br/blogs/radar-do-emprego/ceo-por-um-dia-a-instigante-troca-de-experiencias-entre-ceos-e-estudantes/
(Notícia na Íntegra)