O primeiro evento do ciclo Inteligência Jurídica: Encontro de Perspectivas, promovido pelo Machado Meyer Advogados, abordou o tema Gerenciamento de crises: antes, durante e depois. O objetivo da nova série de palestras é apoiar os clientes do escritório em assuntos de relevância para seus negócios.

O debate contou com a participação das sócias Eliane Carvalho, Contencioso; Caroline Marchi, Trabalhista; Maria Eugênia Novis, Antitruste; e Roberta Danelon Leonhardt, Ambiental. De acordo com Eliane, a equipe multidisciplinar formada pelo Machado Meyer, permite a visão de diferentes áreas do Direito e abordagens diversas, considerando a gestão de crise de forma mais completa. “O planejamento é fundamental para minimizar impactos ou mesmo mitigar a crise. A maior parte delas é evitável”, destacou. Outros convidados externos também contribuíram com sua experiência: Flávio Costa, vice-presidente da Azul Linhas Aéreas, e Adélia Chagas, diretora da Imagem Corporativa.

As sócias apresentaram questões relacionadas a seus campos de atuação e todas reforçaram a importância de um plano para a gestão da crise. De acordo com elas, outro ponto importante é o relacionamento com os stakeholders, o que inclui colaboradores, fornecedores, clientes e imprensa. Em sua experiência na área concorrencial, Maria Eugênia destaca que “para não gerar muita insegurança nos casos envolvendo carteis, por exemplo, é preciso estar próximo dos colaboradores”, afirmou. “Cada área tem assuntos que são midiáticos e precisamos considerar isso na dimensão de uma crise”, observou Caroline Marchi. Roberta Danelon Leonhardt destacou o relacionamento com stakeholders diretamente afetados pela crise e citou exemplos ligados à área ambiental, como órgãos governamentais, comunidades afetadas por um acidente, entre outros.

Uma das questões essenciais para o bom gerenciamento de uma crise é admitir que, possivelmente, a empresa enfrentará um problema. Flávio Costa, vice-presidente e diretor de emergência da Azul, falou sobre essa dificuldade que as corporações têm em admitir que passarão por uma adversidade. “A alta direção precisa ter consciência da importância de investir em gerenciamento de crise. A companhia precisa se organizar, ter uma estrutura montada e estar treinada para o sucesso da operação”, argumentou.

Mas a crise também traz oportunidades. De acordo com Adélia Chagas, se a empresa está preparada, ela conseguirá fazer um trabalho de excelência e ainda transformar o problema em solução. “Na era das mídias sociais, a velocidade na tomada de decisões é fundamental, pois a informação chega instantaneamente às pessoas. A diferença em uma gestão bem-sucedida, é o quanto você está preparado. Já vimos muitos exemplos no mercado de companhias que enfrentaram a crise, conseguiram revertê-la rapidamente e ainda implantaram um programa que deixou um legado positivo para clientes e para a sociedade”, finalizou. 

 

Veja também artigo elaborado pela sócia Eliane Carvalho sobre o tema: "Prepare-se para o inevitável: incidentes e acidentes podem ocorrer, imprevistos não."