A muitos pode causar estranheza a pujança do mercado de IPOs brasileiro em 2020, mesmo no cenário de pandemia de covid-19. Até o momento, já são 23 ofertas públicas iniciais registradas na CVM em 2020, e outros 39 pedidos em análise – dos quais, é bem verdade, uma parcela representa operações que foram interrompidas e aguardam melhores condições de mercado. No entanto, em paralelo ao aumento significativo da quantidade de operações, cresce também o volume de desistências e de casos em que os papéis apresentam perdas após a estreia na bolsa.

 

A expectativa em relação ao mercado de IPOs brasileiro vem sendo nutrida desde o fim de 2019. As reformas estruturais e a perspectiva de retomada do crescimento, aliada à queda das taxas de juros, criaram um ambiente propício para acessar capital por meio de ofertas de ações. Investidores antes acostumados a rendimentos polpudos vinculados a títulos públicos passaram a ter que buscar na renda variável o retorno desejado, gerando um grande potencial de demanda para os ofertantes. Houve, assim, um aumento relevante da participação nacional nas ofertas de ações, antes marcadas pela predominância do capital estrangeiro.

 

Por outro lado, o mercado demonstrou que não está disposto a pagar qualquer preço pelas ações, e isso se reflete na precificação das ofertas no piso das faixas indicativas dos prospectos (ou abaixo delas) e até mesmo em desistências de operações. Soma-se a esse cenário a volatilidade do mercado causada pelas incertezas sobre os rumos da pandemia (por exemplo, expectativas sobre vacinas e a ocorrência de novas ondas em vários países), a preocupação com a política fiscal, a interrupção das reformas estruturantes no país e as tensões externas, como a experimentada durante o acirrado processo eleitoral para a presidência dos Estados Unidos.

 

Embora o mercado de capitais continue sendo uma interessante opção para a capitalização das empresas, o cenário requer cuidados extras com relação à precificação e ao timing das operações. Empresas estruturadas, de alto crescimento e sólidas nos seus fundamentos continuam sendo ativos procurados e com demanda. A importância da preparação e da escolha dos assessores no processo se torna ainda mais crítica para o sucesso das transações. O Machado Meyer tem uma equipe altamente especializada e preparada para assessorar empreendedores nesse processo, desde a fase de preparação até o pós-IPO, com experiência e histórico relevante com empresas de todos os tipos, setores e tamanhos.